Notícias / Ações

23 novembro 2021

Sertanejo é investigado por lucrar milhões com grilagem e estelionato

||
0 Comment
|

O cantor sertanejo Rogério Spindola Mariz, 49 anos, entrou na mira da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) por envolvimento com grilagem de terras e estelionato. A coluna apurou que o artista coleciona ocorrências e processos judiciais.

O suspeito atua, principalmente, na venda de terrenos no Riacho Fundo 2 e na Ponte Alta do Gama. Com golpes registrados desde 2015, o sertanejo lucra milhões com a venda de terrenos irregulares a mais de uma pessoa. Atuante no cenário musical, o criminoso chegou a formar dupla com um primo do cantor Leonardo.

Neste ano, um morador de Águas Claras denunciou o artista à PCDF. O homem alegou que comprou um terreno no Setor Catetinho, no Riacho Fundo 2. Detalhou que o lote foi negociado por R$ 23 mil, dos quais foram pagos R$ 10 mil em dinheiro e transferências bancárias.

Na ocasião, foi confeccionado um Instrumento Particular de Cessão de Direitos entre ele e Rogério Mariz, que se apresentou como procurador do dono da chácara negociada.

As assinaturas do documento foram reconhecidas em cartório, e o prazo de entrega do imóvel estava previsto para dezembro de 2020. Apesar de ter quitado a dívida, o comprador não recebeu o terreno.

Segundo o relato apresentado, o corretor sempre afirmava que faltavam alguns detalhes no condomínio, como estruturação e asfaltamento das ruas. A vítima só se deu conta de que caiu em um golpe quando consultou o nome de Rogério na internet e localizou um série de processos, inclusive por crimes de estelionato e parcelamento irregular de solo.

O caso foi registrado na 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas), mas é investigado pela 29ª DP (Riacho Fundo).

|

Deixe um Comentário