Notícias / Ações

18 setembro 2020

#TBT: “Paranoid” e “Blizzard Of Ozz”. Relembre os álbuns clássicos da carreira de Ozzy Osbourne

||
0 Comment
|

Nos próximos dias, os dois discos mais emblemáticos gravados por Ozzy Osbourne completarão, respectivamente, 50 e 40 anos de lançamento, e os aniversários serão celebrados com novas edições luxuosas, trazendo vários extras. “Paranoid”, o segundo álbum do Black Sabbath onde ele foi o vocalista até 1978, chegou às lojas do Reino Unido em 18 de setembro de 1970, enquanto “Blizzard Of Ozz”, sua estreia em carreira solo, dez anos mais tarde, no dia 20 do mesmo mês.

O cantor obviamente lançou outros discos influentes e de sucesso, mas seguramente, esses são os dois mais importantes, também pelo seu enorme alcance, inclusive para fora do círculo do heavy metal e do hard rock. Não à toa, eles formam a espinha dorsal dos seus shows até hoje.

Para se ter uma ideia, das dez canções que ele mais tocou ao vivo, sete, incluindo as seis primeiras, saíram desses discos. Enquanto “Paranoid” rendeu as três músicas mais tocadas na história do Sabbath (mesmo com outros vocalistas, eles sempre tocaram a faixa-título, “Iron Man” e “War Pigs” nos shows).

“Paranoid”

Black Sabbath

O Sabbath já tinha deixado uma boa impressão com seu assustador disco de estreia, um álbum pesado, brutal e básico que acabaria se mostrando a pedra fundamental para praticamente toda a música pesada surgida no planeta nas décadas seguintes. Mesmo sem agradar aos críticos, o quarteto conquistou um público enorme tanto na Europa quanto nos EUA, e ampliaria muito esse sucesso graças ao seu segundo álbum, que, merecidamente, virou um clássico indiscutível do rock.

O mais curioso é que, a princípio, ele iria se chamar “War Pigs”, em alusão á sua faixa de abertura, e a capa foi feita em cima dessa ideia. Mas havia um problema: o disco havia ficado muito curto e mais uma canção era necessária para completá-lo. Ou seja, tudo levava a crer que essa faixa seria simplesmente um filler (ou “encheção de linguiça”), aquela música feita só para fazer número.

E parecia que esse seria mesmo o caso. O guitarrista Tony Iommi começou a tocar um riff básico, Ozzy foi improvisando uma melodia, o baixista (e também letrista) Geezer Butler e o baterista Bill Ward se juntaram e logo estava claro que, eles não só que tinham se saído com uma canção fortíssima, mas com uma que tinha até, pasmem, cara de hit.

Black Sabbath

O Sabbath, e as grandes bandas daquele período como o Led Zeppelin, gostavam de ser vistos como “artistas de álbum”. O mercado de singles era considerado algo “inferior”, apenas para artistas mais pop e um público mais infantil (ou infantilizado). Mas era óbvio que ter uma música nas rádios não iria fazer mal e foi isso o que aconteceu com “Paranoid”, lançada um mês antes do álbum, e que acabou chegando no quarto lugar da parada, uma marca que, nem de longe, eles chegaram perto de atingir novamente.

O álbum também se tornou um hit instantâneo, graças também às suas outras duas faixas mais emblemáticas, as já citadas “War Pigs” e “Iron Man”. Mas “Paranoid” não se resumia a esses três momentos. A mais lenta e psicodélica “Planet Caravan” mostrava um lado até então desconhecido deles e o lado b, nem menos famoso, mantinha o bom nível com a soturna, e com uma pegada de jazz, “Electric Funeral”, e a épica “Fairies Wear Boots”, que encerrava o trabalho.

“Paranoid” chegou ao topo da parada no Reino Unido, feito que eles só repetiriam em 2013 com “13”, o álbum que marcou o retorno de três quartos da formação original (Bill Ward acabou não participando). Nos EUA ele chegou à 12ª posição e ganhou quatro discos de platina, o que faz deste o mais bem sucedido disco da banda de Birmingham naquele mercado.

A edição de luxo

Black Sabbath

A edição comemorativa pelas cinco décadas do trabalho será lançada em 9 de outubro. E terá, em seu formato mais completo, e caro, cinco LPs e 4 CDs, além de um livro contando toda a história deste grande clássico. O maior destaque entre os extras está na íntegra de dois shows realizados naquele ano.

Ouça:

Fonte:Vaga lume

|

Deixe um Comentário